Conferencista Edimilson Garcia

terça-feira, 17 de maio de 2011

GALARDÃO-SERÁ IMPORTANTE A BUSCA ?


                                  GALARDÃO-SERÁ  IMPORTANTE  A BUSCA ?
Há algum tempo uma pessoa me perguntou através do site sobre o tema Galardão. Desde então tenho lido estudos, comentários e claro, a Bíblia, buscado em oração, para escrever sobre o tema.

Poderia escrever muitas coisas sobre o assunto. Mas acho que devemos tomar cuidado com certos assuntos, pois eles podem nos desviar do tema principal: A Salvação em Cristo, Jesus.
Já tentei começar a escrever, mas tive que interromper. Hoje estou mais uma vez escrevendo e acredito que conseguirei chegar ao ponto final, pois agora tenho certeza do que tenho que escrever. Não quero agradar pessoas que gostem do tema. Não quero escrever o que muitas pessoas falam sobre o assunto. Quero escrever aquilo que o Senhor me mostrou que deve ser escrito num texto que sou o responsável humano pela escrituração, mas não quero escrever o que é minha vontade, mas sempre o que o Senhor mostra na Palavra.
Assim, passo a descrever o que é Galardão:
A palavra grega que encontramos no Novo Testamento em grego, transliterada (escrita em caracteres da nossa própria língua) para galardão é misthós (se você possui a fonte SYMBOL, altere na palavra a seguir a fonte e você verá a palavra em grego: misqoz), que significa salário (Romanos 4.4) ou recompensa (Mateus 5.46). Galardão, portanto, pode ser entendido como recompensas que os salvos receberão na glória porvir, de acordo com suas obras (2 Coríntios 5.10).
Podemos entender que existem várias categorias de galardões. A Bíblia os menciona em Mateus 10.41 através das expressões "galardão de profeta" e "galardão de justo" essa divisão em categorias. Entretanto ela não especifica quais são os galardões que pertencem a que categoria.
Encontramos também a explicação de COROAS que indicam “prêmios” recebidos (galardão) por desempenhar determinadas tarefas. No mundo antigo, a coroa tinha mais significado que hoje, claro porque havia mais reis! Mas em competições, por exemplo, o vencedor recebia uma coroa de louros ou depois de uma vitória em uma guerra havia vários tipos de coroas para identificar o grau de envolvimento e a intensidade da vitória alcançada. Assim, fica mais fácil de entender porque é usada essa forma de explicação para “recompensas” que os seres humanos receberão por ter desempenhado uma tarefa ou não, já que o texto Bíblico mostra que as pessoas receberão galardões de acordo com sua atitude, positivas ou não, galardões considerados bons ou não.
Existe até uma forma de classificar os “galardões positivos” e como são alcançados, de acordo com o que segue:
Coroa
Como Ganhar
Fonte Bíblica
Alegria
Ganhando almas
1Tessalonicenses2.19
Filipenses 4.1
Vida
Suportando provas, aflições e tentações, e mesmo assim permanecer fiel
Tiago.1.12
Apocalipse 2.10
Incorruptibilidade
Negando-se a si mesmo
1Coríntios 9.25
Glória
Cuidando do rebanho
1Pedro 5.4
Justiça
Ansiando pela volta de Cristo
2Timóteo 4.8
    
Não podemos negar que a Bíblia relata que existem os galardões. Também não podemos negar que receberão galardões todas as pessoas, ou receberam galadões considerados bons ou receberão galardões considerados ruins, sempre levando em conta suas atitudes. Isso é fato!
Mas há um detalhe que quem se preocupa com a busca de galardões acaba esquecendo: para receber qualquer galardão considerado bom, qualquer um dos que foram apresentados acima, existe a necessidade de salvação primeiro. E, uma vez salvo, quem vai agir em nós e através de nós e o Próprio Senhor. Ele planta e rega! Ele dá inspiração, força e gera a atitude, se deixarmos. Quem fará, se deixarmos, será o Senhor através de nós e receberemos galardões por ter deixado o Senhor agir através de nós, por desprendimento, por negação da própria vontade.
Não haverá galardão, não haverá coroa, nada que consideramos bom se não nos preocuparmos primeiro com a Salvação. Haverá uma conseqüência, haverá galardão, de qualquer forma! Mas para recebermos esses que consideramos bons, só buscando a salvação. E naturalmente iremos agir da forma correta, pois será o Senhor agindo através de nós.
Por isso, registro: mais importante que se preocupar com os galardões (que virão, é inegável), devemos nos preocupar com que tipo de galardão iremos receber. Se estivermos Ligados ao Senhor através da Salvação, receberemos aqueles que estão registrados na tabela acima, de acordo com aquilo que o Senhor gerar em nós para realizarmos, de acordo com o que o Senhor quiser fazer através de nós e, claro, por deixarmos Ele agir através de nós. Ele poderá querer realizar muitas coisas através de nós, mas nós devemos deixar Ele agir. O galardão estará condicionado, assim, a deixarmos o Senhor agir através de nós. O quanto formos obedientes. Aí, haverá galardão.
Não haverá galardão apenas por ação, pois corremos o risco de fazer o que nós queremos e não o que o Senhor quer. Não é para realizarmos tudo o tempo todo! O Senhor tem tarefas específicas que quer nos usar para cada ser humano. Não são todos que precisam fazer todas as coisas...
A obediência ao chamado do Senhor para sua vida é que indicará o galardão que você terá para receber. Mas a sua preocupação não deve ser em procurar por esses galardões. Eles são conseqüência de uma vida entregue nas mãos do Senhor. O único galardão que entendo que devemos buscar é o da Salvação em Cristo. Os outros virão como conseqüência de nossa vida de obediência ao Senhor. E o que é conseqüência não pode ser tratado como principal. Conseqüência acontece naturalmente por conta de uma outra situação...

Forte abraço.
Em Cristo,

Registro ainda que é muito interessante para aprofundar nesse entendimento que apresento a leitura do texto que segue abaixo, extraído do site:

"Ora, o que planta e o que rega são um; mas cada um receberá o seu galardão, segundo o seu trabalho". 1 Coríntios 3.8
Lembro-me de quando era da idade de 7, 8 anos. Por muitas vezes chegava do colégio, trocava a minha roupa, lavava minhas mãos e tomava lugar à mesa para o almoço. Ali mesmo, durante o almoço, meio ao desespero comum das crianças, ouvia as instruções de minha mãe. Certamente, quase todas elas eram a respeito do que eu iria comprar no mercado para o jantar ou mesmo para o lanche da tarde, logo que estivesse descansado para sair.
Recordo-me de tantas e tantas vezes que me dediquei a fazer este trabalho de ir ao mercado e trazer a compra que estava detalhada no papel. Nunca errei e fazia de maneira alegre, pois no meu pensamento de criança, o mais importante era ganhar um trocado para comprar meu doce, meu gibi ou mesmo para juntar e comprar aquele ioiô que acabara de sair.
Esse trocado, às vezes uma nota de pequeno valor noutras uma moeda, não importava; essa era a minha recompensa pelo trabalho bem feito. Esse era, hoje sei, o meu galardão num pequeno mundo infantil.
Naquela época, não fazia eu a mínima idéia de que havia um significado "aurélico" para tal substantivo: galardão = recompensa.
Imagino minha mãe dizendo assim: "_Meu filho, obrigado pelo bom trabalho e tome aqui o seu galardão". No mínimo eu iria rir e dizer: "_ galar o quê?".
A minha recompensa recebia sempre, por fazer de forma correta, segundo as instruções de minha mãe, o trabalho a mim reservado e eu sempre procurava fazer bem feito, pois sabia que lá na frente, ao chegar em minha casa ou ao entardecer, com a chegada de meu pai, a minha recompensa eu receberia.
Pois bem, apenas uma criança eu era, mas procurava tratar de forma correta as minhas atribuições, pois como já citei, eu pensava no meu galardão. Opa, na minha recompensa!
Hoje, sou um jovem adulto e já não saio mais para fazer a compra diária de minha mãe, mas por outro lado tenho muito mais atribuições, seja no meu trabalho, na minha vida social, dentro da Obra de Jesus Cristo, junto à família e mesmo para comigo.
Não somente eu, mas quantos além de mim e de você estão na mesma situação, repletos de atribuições e buscando suas recompensas?
Muitos trabalham seriamente, pois além do prazer físico mental que o trabalho lhes proporciona, buscam a recompensa, o seu salário, o seu meio de adquirir o sustento e o bem estar material.
Ao mesmo tempo buscam afinidades sociais, freqüentam clubes, participam do time de basquete da empresa ou da faculdade buscando o que? Buscando a satisfação, o aprimoramento físico a amizade recíproca dentre outras tantas recompensas.
Junto à família buscam zelar pela boa ordem da casa, pelo bem estar dos filhos, para terem como recompensa, pelo menos, a satisfação de chegar em casa e poder olhar uma família sorridente, poder acompanhar o filho ou a filha na formatura tão buscada.
Seguindo o raciocínio, trabalhando em prol de si mesmos, buscam a auto-satisfação, um bom posicionamento dentro da empresa, um reconhecimento por parte da sociedade, da família.
Todos fazem o melhor acreditando em receber suas respectivas recompensas e sabem que se fazem mal, recebem de forma má as suas recompensas; da mesma maneira, se fizerem pela metade, ao meio terão suas recompensas divididas. Sem que queiram são levados a buscar suas recompensas, para o sustento momentâneo, para o bem estar futuro; enfim, para o seu próprio bem e dos que os cercam.
Dentro da Obra de Jesus Cristo, meio aos atarefados obreiros, existem aqueles que fazem para receber, aqueles que não fazem e exigem receber, aqueles que fazem e pensam nada receber e aqueles que fazem sem nada pedir, sem nada esperar, sem nada exigir, mas têm a certeza de que já receberam. Esses últimos são aqueles que buscam o aplauso de um. Enquanto muitos se regozijam perante suas próprias atuações, outros buscam continuamente o aplauso de somente um.
Quando estamos no trabalho ministerial ao Senhor, sem que intencionalmente busquemos, estamos percorrendo caminhos para alcançarmos a nossa recompensa, o nosso galardão. Porém existe uma considerável e importantíssima diferença entre quem tem ciência disso, ou seja, aqueles que trabalham ao Senhor e recompensados serão certamente sem que se utilizem de vitrines propositais para expor seus trabalhos e; aqueles que parecem não ter tal conhecimento; que são aqueles que proliferam suas intenções e seus trabalhos, como forma de buscar o aplauso de muitos.
Um bom exemplo disso, para melhor explicar-me, está no seguinte ocorrido:
Um rapaz recém chegado a certa igreja, procurou por muito tempo ter uma oportunidade de dar uma palavra ou um testemunho para os irmãos e irmãs, no culto de domingo. Buscou isso da pior maneira, ou seja, criticando aqueles que tinham tal oportunidade, dizendo que os mesmos eram analfabetos, não sabiam colocar suas idéias de forma inteligente e que assim, ele era bem melhor que o restante dos pregadores. Tal busca chegou aos ouvidos do ministério, porém ninguém sabia que o rapaz fazia críticas a todos os demais. Certo domingo, numa festa da igreja, com o púlpito repleto de pregadores experientes, de outras localidades, o pastor titular daquele templo anunciou que após os cânticos, aquele rapaz teria uma oportunidade de trazer à igreja a Palavra de Deus.
Pois bem, este rapaz se encheu dentro de seu presunçoso terno e conferiu a marcação em sua bíblia, releu seu pequeno resumo de uma breve palavra por muitas vezes lida e relida por ele mesmo e aguardou. O último hino foi apresentado e ouvi-se o nome do rapaz, o qual se dirigiu à mocidade e sussurrou algo como: agora, vocês verão o que é pregar.
Caminhou ao púlpito e como um pregador de renome internacional, mas com aquele ar de superioridade, subiu na santa tribuna, cumprimentou a amada igreja, abriu sua bíblia, deixou que seu resumo caísse, o pegou e iniciou a sua tão almejada pregação.
Uma meia dúzia de palavras saiu de sua boca e o tal rapaz se perdeu por inteiro e sequer se recordava de seu resumo, tampouco do versículo que havia assinalado para ler à igreja. Decididamente, abaixou sua cabeça, pediu desculpas à igreja e iniciou sua descida.
Deus, na sua infinita misericórdia e na sua infinita insistência de que devemos ser submissos a Ele e na sua verdadeira sabedoria em nos ensinar, não permitiu que somente isso ocorresse.
No instante da descida, ouviu-se no templo as seguintes palavras: "_Se você, meu filho, tivesse subido nesta tribuna da mesma maneira que está agora descendo dela, certamente desceria da mesma forma que nela subiu".
Este exemplo me mostra e nos mostra o quão perigoso é a busca do aplauso de muitos; o querer fazer e ser levantado pela multidão e deixar de lado o aplauso de um.
Certa vez aconteceu algo interessante à minha frente: convidei uma jovem irmã para visitar nossa singela igreja. Estávamos preparando uma festa naquele dia, uma peça da mocidade seria apresentada. Como naquela época tinha recebido de Deus a atribuição de ser líder daquela mocidade, resolvi verificar como andava a apresentação da igreja e adiantar algumas coisas para a peça.
Para minha surpresa, ao entrar no templo, infelizmente pude ver que o mesmo estava com o chão bem sujo e isso não poderia ser.
Mas o que aconteceu afinal?
Aconteceu que aquela jovem irmã, sem que ao menos eu dissesse onde estava a vassoura, a achou e começou a varrer a Casa do Senhor. Pelo que conheço dela, tive e tenho absoluta certeza de que ela não buscava o meu aplauso, mas buscava o aplauso de um. E esse um a honrou, colocando em sua presença o pastor da igreja que pode ver o bom testemunho e dedicação daquela jovem irmã, a qual ele sequer conhecia.
Sem que desejasse, foi exaltada em nossos corações e certamente recebeu o aplauso de um. Somente de um, pois buscou, inconscientemente, o aplauso de somente um.
Quando buscamos o aplauso de um, buscamos com sinceridade de coração espiritual, buscamos com sinceridade de atuação espiritual. Quando buscamos o aplauso de tão somente um, recebemos as maiores e melhores gratificações, pois elas nos são dadas sem que por muitas vezes, as peçamos.
Quantos exemplos de fiéis soldados que mostraram fidelidade à Obra e buscaram o aplauso de um e receberam boa recompensa não temos?
O que dizer daquele irmão que evangelizou uma cidade andando a pé e sem que sequer pedisse, Deus lhe deu um automóvel. Ele ganhou este automóvel, pois fez sem desejar uma recompensa, fez sem buscar que seu nome fosse exaltado no púlpito de sua igreja, fez sem buscar o reconhecimento de seu pastor, porém fez buscando o aplauso de um.
Por que devemos buscar o aplauso de um?
Porque devemos buscar o Senhor e a sua força e a sua face continuamente e lembrar-nos das maravilhas que tem feito, de seus prodígios, e dos juízos de sua boca (1Crônicas 16.11-12).
Outro exemplo vem da rainha Ester, que não buscava o aplauso de seu rei ou daquele (Mordecai) que a criou desde sua infância e nem sequer de seu povo, os judeus, mas por ter buscado o aplauso de um, é que este a deu sabedoria e o instante de pedir ao rei Assuero que anulasse a ordem de Hamã, pela qual todo o povo judeu deveria ser morto. Ela teve coragem e sabedoria de Deus para denunciar o homem que tinha um dos postos mais altos e da maior confiança do rei, de decretar que era judia da mesma forma e que havia um plano desleal naquele reino contra o seu povo.
Deus honrou sua atitude e sua corajosa liderança frente ao seu povo e isso tudo, porque ela somente buscou o aplauso de um (esta passagem está em Éster, capítulos 2 a 8).
Em todos os absolutos ângulos, não há exemplo maior que a busca do aplauso de um, por parte de Jesus Cristo.
Ele, o Senhor Jesus, buscou a todo instante a aproximação maior ao Pai, buscando de sincero coração e gestos, o aplauso de somente um. Ele humilhou-se a si mesmo para dar a eterna vida a mim, a você, a todos nós, o seu povo, a quem Ele chama de Israel.
Creio que todos nós que acreditamos e, até mesmo os ateus, ao tentarem imaginar um Cristo, não terão dúvidas de que Ele faria isso sem buscar o aplauso da multidão, pois Ele mesmo já sabia que de seu povo, teria apenas as costas dadas.
Ele não buscou a exaltação de um povo, mesmo porque levou o seu testemunho até aos samaritanos e deu sua ordem de evangelização até os confins da terra, inclusive Samaria. Isso nos mostra, dentre tantos outros acontecimentos sagrados, que Jesus não estava muito preocupado com os aplausos de muitos, mas apenas e tão somente com o aplauso de um, do Pai.
Assim como aos nossos pais, profissionais superiores e ministros superiores; devemos cumprir nossas atribuições da melhor forma e colocando Deus em primeiro lugar e quando fizermos isso sem que necessário seja "forçar a barra" em nosso íntimo, ou seja, quando fizermos isso sem buscarmos a hipocrisia para nossa vida, aí sim teremos certeza de que buscamos o aplauso de um, do Senhor.
O aplauso de Deus é certo, pois devemos enxergar este aplauso como a alegria do Senhor ao ver-nos trabalhando com afinco em sua Obra.
Caso alguém negue a existência deste valioso aplauso, perceba o que se passa nos céus ao contemplar aquele velho irmão, junto com sua esposa, discursando a respeito da Salvação aos moradores de um pequeno vilarejo, aonde moram.
Caso alguém negue a existência deste valioso aplauso, tente imaginar a festa que se faz no céu, no instante em que um perdido aceita a Jesus Cristo, como seu único e suficiente Salvador. Os aplausos serão para ele, mas também para você que surpreendentemente e de maneira sincera e exaustiva deu seu testemunho e levou a ele a Palavra de Deus, sem a intenção de que muitos ou mesmo um homem ficasse sabendo de que você foi o instrumento.
Os aplausos serão também seus, pois você soube buscar o aplauso de um.
Não poderia me esquecer de deixar aqui, uma observação própria no que diz respeito aos aplausos de homens: não devemos confundir a valorização de um bom trabalho, a confirmação de um ministério, a consagração dada por Deus, o carisma que uma pessoa possui dentro de seu ambiente, com a busca proposital e hipócrita de um elogio em nosso meio, pois trabalhamos pela Obra e devemos ser reconhecidos pelo tal trabalho, mas devemos ter a sábia ciência de que o reconhecimento ideal só virá de Deus.
Que cada um de nós possa buscar o aplauso de Deus em nossas tarefas diárias e sabermos que Deus espera atitudes e sentimentos que O valorizem em nossa vida, pois mesmo que tenhamos a certeza disso em nosso coração, por muitas vezes sentiremos dos céus, o derramar dos aplausos de Deus em nossa vida.
O aplauso de Um está bem diante de toda Israel e fazemos parte dela, em Nome de Jesus Cristo, o sagrado e fiel espectador de nossas vidas, o mordomo da graça, do favor imerecido.
Deus os abençoe ricamente com Seus aplausos.(19.12.2000)

Postar um comentário