Conferencista Edimilson Garcia

sábado, 30 de julho de 2011

Lar Cristão: Marido e Mulher
 
“As mulheres sejam submissas ao seu próprio marido, como ao Senhor; porque o marido é o cabeça da mulher, como também Cristo é o cabeça da igreja, sendo este mesmo o salvador do corpo.Como, porém, a igreja está sujeita a Cristo, assim também as mulheres sejam em tudo submissas ao seu marido.Maridos, amai vossa mulher, como também Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela, para que a santificasse, tendo-a purificado por meio da lavagem de água pela palavra, para a apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, porém santa e sem defeito. Assim também os maridos devem amar a sua mulher como ao próprio corpo. Quem ama a esposa a si mesmo se ama.  Porque ninguém jamais odiou a própria carne; antes, a alimenta e dela cuida, como também Cristo o faz com a igreja;  porque somos membros do seu corpo.  Eis por que deixará o homem a seu pai e a sua mãe e se unirá à sua mulher, e se tornarão os dois uma só carne.  Grande é este mistério, mas eu me refiro a Cristo e à igreja.  Não obstante, vós, cada um de per si também ame a própria esposa como a si mesmo, e a esposa respeite ao marido”. Efésios 5: 22-33
Neste texto podemos ver com certeza uma grande responsabilidade de ambas as partes dentro de um casamento. Todo casamento certamente tem seus altos e baixos. Sabemos que esta convivência precisa ser pautada na Palavra de Deus. Na literatura de épocas atrás era comum enumerar os deveres mútuos entre os membros de uma casa ou família, a qual incluía também os escravos. Nas passagens do NT a Referencia que se faz a Cristo e a igreja modifica profundamente tais deveres. Estes giram em torno de grupos específicos. E também mostra um relacionamento recíproco. Os grupos mais frágeis. (Mulher, filhos e escravos) e também os mais estabilizados ou mais fortes (Marido, pais e senhores). Estes superiores foram incumbidos de mostrar solidariedade com os mais frágeis. Podemos ver a Bíblia mostrando este conceitos em Efésios aos cônjuges, em Colossenses aos servos e senhores e em 1Pedro uma atenção especial e voltada aos servos(escravos) e seus senhores.Mais uma coisa sempre anunciamos. Todo relacionamento e forte quando esta estabelecida pelo amor e pela extensividade do perdão mútuo.
A Mulher (esposa):
“As mulheres sejam submissas ao seu próprio marido, como ao Senhor.” Ef. 5:22
Em toda esta seção é mostrada a sujeição que certamente esta baseada em amor. Não é uma submissão que esta embasada em medo do esposo. Mais deve ser uma sujeição voluntária. Que surge dentro do respeito e reconhecimento de autoridade delegada por Deus ao esposo. Pois aqui vemos Cristo e a igreja como modelo correto de relacionamento para nós hoje. A mulher que foge deste principio para tentar de certa forma ser independente ou contenciosa com seu esposo certamente começará a afundar seu casamento em um lamaçal. A mulher deve ser submissa e chegar ao ponto de basear esta submissão no amor recíproco. Esta idéia vem a ser ampliada nos VS 25 ao 33. Nestes versículos vemos a relação de Cristo e Igreja como base. Uma coisa é certa onde não há esta submissão dificilmente haverá a paz entre os cônjuges, pois a submissão é algo determinado por Deus. E não podemos tentar diferente por que este ou aquele disse que vai ser assim. Está escrito. E só seremos abençoados se obedecermos. Portanto mulheres sejam submissas aos vossos maridos.
O homem (esposo):  “Maridos amai vossa mulher, como também Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela.” Ef. 5.25
Que as irmãs não me interpretem mal. Mais creio eu, que uma responsabilidade maior esta atribuída aos esposos. Amar como Cristo amou e ama a  Igreja. Uma tarefa muito bonita e de muita responsabilidade. Sabemos do amor de Cristo pela Igreja. As Escrituras nos dizem isto. Ele se entregou por sua Igreja. Deu-se primeiro para depois tê-la. Quantos maridos estão se matando por sua igreja e ministério e pouco ligando para sua esposa. Quantos estão tão preocupados com seu trabalho que não lembra mais de seu aniversário de casamento, de sua esposa, de seu noivado etc. A preocupação é tanta que nem nota mais o que a esposa precisa. Não faz mais elogios a ela. Não a trata como Cristo trata a Igreja. A Bíblia diz que o Senhor nos guarda como a menina dos olhos dEle.A imagem da igreja como a esposa para seus maridos nos leva a temer diante de tal citação. Certamente muitos casamentos estão destruídos por que falta este compromisso do marido com sua esposa. Muitos depois

terça-feira, 19 de julho de 2011

QUEM QUER DAR A FACE DIREITA ?


Cristo disse: “Não resistais àquele que é iníquo: mas, a quem te esbofetear a face direita, oferece-lhe também a outra”. (Mat.5:39) Quando Jesus disse isso, seus ouvintes já sabiam da Lei do Velho Testamento. Ele disse: “Ouvistes que se disse: ‘Olho por olho e dente por dente’.” (Mat.5:38) Os trechos a que Jesus se referiu estão em Êxodo 21:24 e Leví. 24:20. A harmonia da Lei de Deus a punição “olho por olho” nesses versículos era devidamente aplicada apenas depois que o infrator fosse julgado pelos sacerdotes e juízes, que avaliavam as circunstâncias e até que ponto a infração tinha sido intencional. (Deut. 19:15-21) Mas, com o tempo, os judeus distorceram a aplicação dessa lei. Adam Clarke, erudito bíblico comentou: “Parece que os judeus usavam essa lei para justificar ressentimentos pessoais e todos os excessos motivados por vingança. Atos de vingança eram levados a extremos e acabavam sendo mais severos do que o erro cometido.” A Bíblia, porém, não aprova vinganças pessoais. Muitas vezes nos tempos bíblicos, [como hoje] um tapa não tinha a intenção de machucar, mas era um insulto para provocar uma briga. Então, pelo visto, Jesus quis dizer que se alguém quisesse provocar uma briga com um tapa literal, ou com um comentário sarcástico, a pessoa esbofeteada não deveria revidar, evitando assim um círculo vicioso de pagar o mal com o mal. (Rom.12:17) O ponto é que não devemos tomar a iniciativa de agredir alguém nem deixar que o desejo de vingança nos domine. Jesus não quis dizer que um cristão não pode defender sua própria vida em risco. Ex: na cidade de Filipos, Paulo e seu amigo missionário Silas foram presos e açoitados publicamente, mas não revidaram. Ele procurou o sistema judiciário da época para proteger seu direito [e vida] de pregar as boas novas. (Atos 16:19-24, 35-40; Filp. 1:7) A Bíblia esclarece: “Não vos vingueis, amados, mas cedei lugar ao furor; pois está escrito: “A vingança é minha; eu pagarei de volta, diz Jeová.” (Rom.12: 17-19)