Conferencista Edimilson Garcia

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Tema: A cura dum cego de nascença

Capítulo 9

Tema: A cura dum cego de nascença
Este milagre é o número 6 no Evangelho de João e, como os outros, testifica a divindade de Cristo (20:30-31). Os primeiros três milagres mostram COMO uma pessoa está salva: pela PALAVRA (água feita vinho), pela FÉ (cura do filho dum régulo), e pela GRAÇA (cura do paralítico). Os últimos três milagres mostram os RESULTADOS da salvação: PAZ (Jesus anda sobre o mar), LUZ (cura do cego de nascença), e VIDA (a ressurreição de Lázaro). A multiplicação dos pães mostra que o mundo recebe o Evangelho através de homens cooperando com Deus.
I. A cura - 9:1-7
1. O cego apresenta um pecador perdido.
a. Cego - Ef. 4:4 ; João 3:3 ; II Cor. 4:3-6. O incrédulo nunca pode ver ou entender coisas espirituais. I Cor. 2:14-16.
b. Mendigo - O incrédulo está pobre aos olhos de Deus.
c. Impotente - O incrédulo não pode curar a si mesmo.
2. A cura representa como Cristo salva o incrédulo.
a. Pela graça - Jesus escolheu o homem, que não mereceu nada.
b. Pelo poder de Deus - Cristo não ofereceu óculos nem sugeriu um bom oculista, mas simplesmente CUROU o homem. A religião tem muitas sugestões mas é o poder de Deus que salva.
c. A cura glorificou a Deus - Todas as verdadeiras conversões glorificam a Deus. Ef. 1:6,12,14 , 2:8-10
II. A controvérsia - 9:8-34
Os líderes religiosos já informaram o povo que se qualquer um confessasse ser Jesus o Cristo séria expulso da sinagoga (vs. 22). Isto significava perder amigos e família e todos os benefícios da religião dos judeus. Foi por este motivo (medo) que os pais e vizinhos não disseram muito acerca da cura. A confissão simples do ex-cego em vs. 11 glorificou a Cristo apesar dele não saber quase nada acerca do “homem chamado Jesus”. Os fariseus atacaram Jesus dizendo que Ele “não é de Deus” (vs. 16), e chamando-O de “pecador” (vs. 24). O ex-cego testificava o que ele sabe (vs. 25) e mostra que ele entendeu melhor que os fariseus (vs. 30-33).
O crente que já provou o poder de Deus na Sua vida sabe muito mais que o maior teólogo que só sabe o que está escrito nos livros (Veja cuidadosamente Salmo. 119:97-104)
O homem curado foi expulso da sinagoga (vs. 34) mas ganhou muito mais do que ele perdeu.
III. A confissão - 9:35-41
O lugar mais seguro para o cego curado era fora da religião dos judeus. Ele foi expulso pelos judeus mas aceito por Jesus. Como Paulo (Fil. 3:1-10) ele perdeu sua religião mas achou a salvação .
Note como este homem cresceu no seu entendimento de Cristo.
a. vs. 11 “Um homem chamado Jesus”
b. vs. 17 “Profeta”
c. vs. 31-33 “Homem de Deus”
d. vs. 35-38 “O Filho de Deus”
Provérbios 4:18 diz, “Mas a vereda dos justos é como a luz da aurora que vai brilhando MAIS E MAIS até ser dia perfeito”. O cego curado provou a sua fé porque ele cresceu na luz da verdade MAIS E MAIS. O crente tem a luz no seu coração ( II Cor. 4:6) e é a luz do mundo (Mat. 5:14). O crente anda na luz (I João 1) e produz o fruto da luz (Ef. 5:8-9). Achamos o ponto decisivo na vida do cego no vs. 38 quando ele diz, “Creio, Senhor”.
A mesma luz que guia uma pessoa cega outra pessoa (vs. 39-41). Os fariseus não eram cegos e foram condenados porque rejeitaram toda a evidência da divindade de Cristo e rejeitaram a Cristo também. O Evangelho causa reações diferentes em corações diferentes: o pobre, cego pecador recebe o evangelho e crê; a pessoa religiosa e auto-justificada rejeita o evangelho e fica cego espiritualmente.
O evangelho de João fala de quatro tipos de escuridão espiritual:
1. Escuridão mental - (1:5-9). A luz está brilhando mas os homens não podem a ver. Estão na escuridão mental - II Cor. 4:3-6
2. Escuridão moral - (3:19-21). Homens não somente vivem na escuridão mas ama-a . Eles estão desobedecendo a Deus e gostando cada momento na sua desobediência .
3. Escuridão judicial - (12:35-41). A luz do evangelho não ficará para sempre com o homem. Eles devem aproveitar o tempo e aceitar Jesus, porque vem a escuridão quando Deus vai se esconder do homem.
Note João 12:37-41:
• vs. 37 - “Não criam” - falta de desejo
• vs. 39 - “Não podiam crer” - corações duros
• vs. 40 - “Não vejam... não compreendam” - a paciência de Deus acabou.
4. Escuridão eterna - (12:46). Viver na eterna escuridão significa viver no inferno que está chamado “trevas exteriores” (Mat. 8:12 , 22:13)



Postar um comentário