Conferencista Edimilson Garcia

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Exorcismo Também Significava mais do que Muitos Vêem e Entendem


Marcos 1: 27 - E todos se admiraram, a ponto de perguntarem entre si, dizendo: Que é isto? Que nova doutrina é esta? Pois com autoridade ordena aos espíritos imundos, e eles lhe obedecem! 
Mateus 12: 28 e 29 - Mas, se eu expulso os demônios pelo Espírito de Deus, logo é chegado a vós o reino de Deus. Ou, como pode alguém entrar em casa do homem valente, e furtar os seus bens, se primeiro não maniatar o valente, saqueando então a sua casa? 
Há duas realidades espirituais no milagre de exorcismo feito por Cristo: 
1- A chegada do Reino de Deus 
2- A Derrota do diabo 
A enfermidade requer um milagre de cura, que verifica a verdadeira situação espiritual da pessoa. 
Qual a verdadeira situação espiritual do homem? (Efésios 2: 2; I João 5: 19; João 8: 44; II Timóteo 2: 25 e 26) 
Enfermos, mortos em delitos e pecados, dominados pelo diabo, filhos de satanás, completamente cegos em seus entendimentos, escravos voluntários de satanás, instrumentos para disseminar heresias. 
Esta escravidão ao diabo (Romanos 6 – escravos libertos do pecado) é exatamente o que vemos em forma externa na realidade de uma pessoa possuída pelo demônio, era uma evidência externa do domínio que satanás exercia sobre esta pessoa, utilizando sua mente, seus membros, sua voz, etc. Numa perspectiva espiritual, todos os não convertidos tem feito um pacto com satanás, estão sob seu domínio, fazem sua vontade, estão no maligno (I João 5: 19). Portanto, para serem livres desta escravidão, das garras do diabo, elas necessitam do mesmo poder salvador e regenerador. O mesmo poder que cura um enfermo, expulsa satanás, é o mesmo que salva, regenera, e tira a pessoa do reino das trevas e a conduz para o reino da luz. 
Mateus 9: 5 - “Pois, qual é mais fácil? dizer: Perdoados te são os teus pecados; ou dizer: Levanta-te e anda?” 
Para tratar com uma pessoa não convertida, ou com uma pessoa enferma, ou endemoninhada, o ponto é o mesmo, se requer o mesmo, a conversão, pois todos são escravos de satanás. É uma realidade da doutrina da depravação total e hereditária. Acaso pode uma pessoa possuída expulsar por si só o demônio, curar-se de qualquer enfermidade? Não há, na lista dos dons, o dom de expulsar demônios. Todos os exemplos bíblicos de exorcismo ocorrem no contexto do evangelismo, a proclamação do evangelho (Lucas 4: 41 – os Setenta; Atos 8: 7 – Felipe; Atos 16: 18; 26: 18 – Paulo). Quando uma pessoa é salva, é libertada do poder de satanás, da sua escravidão e trasladada ao reino de Deus (Colos 1: 16). Não importa se está doente ou não, se era possuída ou não, somente o poder do evangelho é que a pode resgatar. Em Atos 19: 13 vemos que alguns judeus, pretensamente exorcista, não puderam expulsar o demônio, pois tentaram fazer sem a proclamação do evangelho. Não há fórmula mágica para tratar com possessões demoníacas, a não ser a proclamação do evangelho, caso contrário, o efeito é pior. O único remédio é a pregação do evangelho e a intervenção do Espírito Santo, através da regeneração. 
E, quando o espírito imundo tem saído do homem, anda por lugares áridos, buscando repouso, e não o encontra. Então diz: Voltarei para a minha casa, de onde saí. E, voltando, acha-a desocupada, varrida e adornada. Então vai, e leva consigo outros sete espíritos piores do que ele e, entrando, habitam ali; e são os últimos atos desse homem piores do que os primeiros. Assim acontecerá também a esta geração má. Mateus 12: 43-45. 
Em Mateus 17: 14-21, os apóstolos não puderam expulsar aquele demônio, ou como diz o texto, curar aquele menino (v.18). Cristo os repreende por causa da pouca fé deles (depender totalmente do poder soberano de Deus). Eles deveriam confiar que somente pelo poder de Deus é que poderiam expulsá-lo. Ele é o único que pode fazer tal coisa, não são ritos, cerimônias, ou mesmo invenções e estratagemas humanos que podem livrar um homem das garras do diabo. 
Em Marcos 9: 28 vemos que há graus (esta casta) de maldade e depravação entre os demônios caídos, assim como há graus de depravação e maldade entre os homens, chegando a níveis tão extremos de depravação, doenças e domínio total do diabo, como a possessão demoníaca (II Pedro 2: 12), por isso somente com oração e jejum é que os tais podem ser vencidos, ou seja, nosso preparo espiritual é um fator importante quando testificamos, oramos e pregamos o evangelho. Deve haver uma dependência total no que diz respeito ao poder de Deus, pois somente Ele é que pode salvar e regenerar tais pessoas. Há em certos casos que demonstram que somente através de uma dependência extraordinária de Deus é que podem ser resolvidos. 
Os Casos reais de possessão demoníaca. 
Hoje em dia, os casos reais de possessão demoníaca, que podem ser indiscutivelmente considerados, não são comuns. Primeiro porque não convém ao diabo, pois se apresentar como “anjo de luz” lhe é mais conveniente, a não ser naqueles países ou culturas aonde tal fenômeno não é de fato estranho ou assustador. Todos os não convertidos são seus servos ou escravos, e por isso ele não têm a necessidade de agir de forma contraproducente, tomando-os fisicamente. Eles o servem melhor sem este fenômeno. 
Tanto hoje em dia, quanto no passado, Deus não permitia que satanás agisse sem o seu consentimento. Vemos que Deus tem restringido ao diabo quanto a este tipo de manifestação demoníaca na dispensação do evangelho, e não permitido tantos casos. 
Os verdadeiros filhos de Deus não podem entrar em contato com uma pessoa endemoninhada sem que Deus o permita, pois isso não lhes ajudaria ou mesmo seria necessário. No Novo Testamento isso sempre ocorria no contexto do evangelismo. 
Fenômenos característicos das pessoas endemoninhadas no Novo Testamento são as seguintes: 
1. Poder Físico extraordinário (Lucas 8: 29) 
2. Uma tendência à mutilação, autodestruição e suicídio (Marcos 9: 22) lançando-se no fogo, água (Mateus 17: 15). 
3. Em todos os casos havia uma resistência fortíssima ao evangelho. 
4. O corpo e a voz eram usados como instrumentos do diabo. 
5. Algumas enfermidades aparentemente não tinham nenhuma causa física. 
6. Enfermidade mental, múltiplas personalidades. 
Quando ocorrem tais casos? Nem todos os que começam com o sexo ilícito terminam como sodomitas, com bebidas alcoólicas e terminam como bêbados, com drogas e terminam dependentes. Na maioria dos casos de possessão demoníaca há uma brecha, uma porta aberta, alguma disposição. Espiritismo, Vudu e Macumbaria, são algumas formas evidentes disso. Devemos lembrar que quando Jesus expulsou os demônios daquele(s) homem(s) na cidade dos Gadarenos, eles pediram permissão para entrarem nos porcos e não serem lançados no abismo (Lucas 8: 31-32). Portanto, se eles têm que pedir permissão para entrar em animais, muito mais nos seres humanos. 
Será que um crente em Cristo, filho de Deus, nascido de novo, pode ser possuído pelo demônio? A resposta é NÃO!!!! Pois para que tal coisa ocorresse, o diabo teria que ser mais poderoso do que Deus, o Espírito Santo, e o Filho - Filhinhos, sois de Deus, e já os tendes vencido; porque maior é o que está em vós do que o que está no mundo (I João 4: 4). 
Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir (Romanos 8: 38). 
Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos? (I Cor. 6: 19). 
Mas vós sois dele (Deus), em Jesus Cristo, o qual para nós foi feito por Deus sabedoria, e justiça, e santificação, e redenção (I Cor. 1: 30). 
Sabemos que todo aquele que é nascido de Deus não peca; mas o que de Deus é gerado conserva-se a si mesmo, e o maligno não lhe toca (I João 5: 18). 
Até que ponto um Crente em Cristo pode ser oprimido, controlado ou “supostamente” escravizado por um demônio? Não se trata de possessão demoníaca, mas algo menor como um espírito de depressão, opressão. Hoje há muitos ministérios dirigidos a “cura e libertação” de “crentes” supostamente oprimidos, dominados e deprimidos por algum espírito. Tais ministérios estão totalmente equivocados, errados, torcendo o ensino das Escrituras no que diz respeito à doutrina de Deus, ensinando assim o dualismo. 
Tanto Romanos 6 (vs. 14; 17; 18; 20; 22), quanto I João, ensinam que todo verdadeiro convertido já está liberto do poder, domínio e escravidão do pecado. Portanto, estes ministérios de libertação estão diretamente afrontando a doutrina da salvação, pois se tais pessoas ainda são dominadas pelo pecado, demonstram claramente que necessitam de conversão. Se satanás vai e vem, fazendo o que bem quer, significa que aquela casa foi varrida e adornada, mas Cristo nunca habitou nela (Mateus 12: 44). O que tais pessoas precisam não é de uma cerimônia de exorcismo, de cura ou libertação, aonde são ensinados que satanás é o culpado pelos seus pecados e ações, mas de ouvirem o evangelho e se arrependerem dos seus pecados, livrando-se assim do domínio que o pecado exerce sobre os seus corpos (Romanos 6: 6 e 17). Se somos guiados pela carne, então não somos convertidos (Romanos 8: 14). O verdadeiro salvo luta para mortificar a carne (Romanos 7, Rom. 6: 16) e vivificar a obra do Espírito (Colos. 3: 15). O pecado, o velho homem, a velha natureza, que ainda permanece no crente, é mortificada a cada dia, mas o crente já está limpo, regenerado (João 13: 10-11; 15: 3). O diabo pode ter lugar na vida do salvo quando este é desobediente, negligente, ou rebelde, caso contrário, somente por permissão de Deus, como no caso de Jó. (Efésios 4: 27 - Não deis lugar ao diabo - Tiago 4: 7 - Sujeitai-vos, pois, a Deus, resisti ao diabo, e ele fugirá de vós - I Cor. 10: 13 - Não veio sobre vós tentação, senão humana; mas fiel é Deus, que não vos deixará tentar acima do que podeis, antes com a tentação dará também o escape, para que a possais suportar). 


Postar um comentário